[Resenha] Eu estou aqui - Clélie Avit




Uma história de amor pode começar em um hospital? E com uma das pessoas em coma? Talvez sim...



Sinopse: Porque esta é a história de Elsa, uma montanhista que, após um acidente em uma geleira, está em coma há cinco meses; e Thibault, um cara normal, ainda se recuperando de um divórcio que levou embora todas as suas esperanças.
Em um dia tumultuado, Thibault entra no quarto errado do hospital e encontra Elsa dormindo. E por um sentimento que ele mesmo não sabe definir, Thibault passa a visitá-la sempre que possível.
Elsa pode ouvir tudo o que se passa em sua volta. E nas visitas de Thibault ela encontra forças para tentar sair de seu estado vegetativo. Porque sabe que um sentimento puro está nascendo em seu coração.
Enquanto médicos, amigos e familiares estão perdendo as esperanças de ver Elsa fora do coma, Thibault lentamente constrói a esperança de vê-la acordada. Seria só um modo de fugir dos seus próprios problemas? Ou ele é o único que percebe o que ninguém mais vê?
 Em uma narrativa intensa e muito sentimental, o primeiro romance de Clélie Avit é uma declaração de amor à vida e aos pequenos detalhes que realmente importam. Impossível não se apaixonar!

Vencedor do prêmio Nouveau Talent 2015.


|Autora: CLÉLIE AVIT | Romance Contemporâneo | Páginas: 288 | Editora Rocco | Skoob|Compre: SubmarinoSaraivaAmazon |


A sinopse já contou quase tudo sobre a história, então vou começar dizendo o que eu senti. Sabe aquele desespero que sentimos lendo ''Se eu ficar''? Pois é, estamos nesse nível aqui, a diferença é que a protagonista não tem essa opção de ficar ou não, pelo menos não que ela se de conta, como Elsa diz, ela é uma espectadora em seu corpo, ela ouve tudo que se passe em volta dela, porém não sente nada, não pode se mexer, não pode falar, não sabe nem dizer se esta respirando ou não.              
Elsa escuta tudo que dizem sem poder interagir, passa longas horas esperando alguém entrar em seu quarto, desejando poder ouvir qualquer barulho para passar o seu tempo. É uma agonia sem fim se imaginar na posição dela, não poder responder, dizer que ainda esta viva, ter que ouvir todos falando de você como se não estivesse mais ali. Ela não pode nem chorar. 


A autora Clélie Avit é formidável em passar sentimentos e sensações, me senti dentro do quarto dela! Ouvimos ansiosamente quando alguém entra em seu quarto, imaginando tudo que esta se passando a sua volta. Suas angustias nos são palpáveis, me encantou completamente.



 ''Fico me perguntando até quando vou ficar só ouvindo. Fico me perguntando se um dia vou acordar de verdade. Sei, pelo que ouço dos médicos, que praticamente não consigo respirar sozinha. Sei que eles fazem exames regularmente, e sei que aguento apenas poucas horas antes de me declararem incapaz de continuar a respirar sem a assistência de aparelhos.''


O que dizer do personagem mocinho Thibault? O rapaz que entrou por engano em seu quarto enquanto fugia de visitar seu irmão, o mesmo que pensou que ali era um bom lugar para um cochilo. Ele é um encanto! Não é um herói em um cavalo branco, não é a melhor pessoa do mundo, muito menos a pior, é um cara comum, normal, de bom coração, que possui princípios, do tipo ''não posso roubar o travesseiro dela pra ficar confortável na cadeira, mesmo que ela não sinta nada''. 

''– Você se lembra de quando eu lhe disse que a cadeira não era confortável? – digo, me virando para o objeto em questão. – Pois bem, continua igual! Eu queria pegar emprestado um de seus travesseiros, mas vejo que você está muito bem acomodada neles e, depois… isso não seria muito elegante de minha parte.''



Thibault vai conversando com Elsa e tirando cochilos em cada visita, este momento para ele também é de reflexão sobre seus problemas. Acredito que não foram conversas muito longas da parte dele, na maioria das vezes ele mais dorme do que fala. Ele também não descobre tanto sobre ela pra justificar os sentimentos, basicamente ele descobre como foi o acidente de Elsa, quando encontra com  amigos dela que a visitavam, e foi só isso. Eu achava que íamos ter mais conversas, que ele contaria sobre sua vida para ela, que ele encontraria seus pais, sua irmã, escutaria histórias sobre a Elsa, e assim ia nascendo o amor. Mas não foi bem isso que aconteceu, no entanto ainda foi do tipo que da suspiros. 

O livro tem a narrativa intercalada entre Elsa e Thibault, ela contando como esta sendo essa vida, já que esta em coma tem cinco meses, e ele nos contando sobre seus dias. No momento Thibault vive três conflitos em sua vida, um termino conturbado, um crescente desejo de ter sua própria família, e um irmão acidentado que fez uma coisa terrível. Seu consolo é sua afilhada e as visitas a Elsa, onde ele tem a esperança que ela vai acordar e ser tudo que ele imagina. 

''– Bom dia, Elsa.
O murmúrio chega aos meus ouvidos como uma brisa. O nome ressurge em minha mente com a força de uma tempestade. Thibault! Ele voltou! Não sei por quê. Quero acreditar que tenha sido porque tenha tido vontade de voltar. Pouco importa, ele está aqui, isso vai me renovar, mesmo que tenha vindo só dormir.''

A autora Clélie Avit tem uma forma de escrita apaixonante, ela consegue fazer descrições sobre personagens, sobre o ambiente, sentimentos, mas não aquele tipo chato e demorado, que coça nossos dedos para pular as páginas, são descrições curtas e belas, tudo fica muito claro e não se prolonga falando sobre coisas que não nos interessa. A história possui uma narrativa rápida e fluida, muito dinâmica com os diálogos intercalados, é uma leitura emocionante. 

É um romance singular, um livro pequeno, eu li em uma hora, mas mesmo os leitores mais tranquilos vão conseguir ler em pouco tempo. Foi a primeira vez que eu li uma história nesta situação de hospital, de personagens que se apaixonam enquanto um esta em coma. Eu só lamento a história não ser mais trabalhada, essa temática poderia render facilmente umas 400/500 páginas, só o que aconteceu com o irmão de Thibault poderia render muito mais. Eu fiquei triste por ter sido um livro tão curtinho, quando estava ficando ainda melhor ele terminou.

E só para constar, o termino me deixou doida! Foi lindo mas precisava de mais!!! Este livro precisa de uma continuação, assim como ''Se eu ficar'' ele não pode parar na melhor parte. 

Recomendo muito esta leitura, é muito bom para dar uma mudança, tem uma passagem com o irmão de Thibault que te faz refletir muito, ele passa por algo que eu e vocês leitores já passaram, ou no minimo viram alguém passar. Preciso dizer mais?


''Me desliguei de tudo o que estava acontecendo ao meu redor. E me concentrei totalmente nela. Todo o meu corpo é administrado por reflexos ou então meu cérebro literalmente se dividiu em duas tarefas: tentar me livrar do controle de Steve e olhá-la, olhar para ela.
Se ela parar de respirar, acho que paro com ela.''




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós! Deixe seu comentário e se houver necessidade responderemos pelo seu e-mail ou aqui mesmo. Obrigada pela visita.