[Resenha] A garota que eu quero - Markus Zusak




| Autor: Markus Zusak | Selo: Intrínseca | Páginas: 174 | ISBN: 9788580573732  | Skoob   | Comprar


O Rube nunca amou nenhuma delas. Nunca se importou com elas. Nem é preciso dizer que Rube e eu não somos muito parecidos em matéria de mulher. Cameron Wolfe é o caçula de três irmãos, e o mais quieto da família. Não é nada parecido com Steve, o irmão mais velho e astro do futebol, nem com Rube, o do meio, cheio de charme e coragem e que a cada semana está com uma garota nova. Cameron daria tudo para se aproximar de uma garota daquelas, para amá-la e tratá-la bem, e gosta especialmente da mais recente namorada de Rube, Octavia, com suas ideias brilhantes e olhos verde-mar. Cameron e Rube sempre foram leais um com o outro, mas isso é colocado à prova quando Cam se apaixona por Octavia. Mas por que alguém como ela se interessaria por um perdedor como ele? Octavia, porém, sabe que Cameron é mais interessante do que pensa. Talvez ele tenha algo a dizer, e talvez suas palavras mudem tudo: as vitórias, os amores, as derrotas, a família Wolfe e até ele mesmo. 

A garota que eu quero é o terceiro livro de uma série dos Irmãos Wolfe, sendo os dois primeiros O Azarão e Bom de Briga publicado pela Bertrand Brasil do autor de “A menina que roubava livros” Markus Suzak. Não era um livro que estava desesperada para ler, até porque queria ler “ A menina que roubava livros” antes e não foi possível, mas ainda assim, a leitura me surpreendeu.

O livro nos narra a história de Cameron Wolfe, o mais novo de dois irmãos e uma irmã, e desses irmãos um é mais próximo, Rube. Ele é aquele tipo de cara bonito, forte e que fica com inúmeras garotas; Cameron não concorda com esse comportamento do irmão, mas ignora naquela cumplicidade de irmãos. Até que um dia, Rube leva pra casa uma garota diferente das demais,Octavia, a garota que fará Cameron tomar outras atitudes na sua vida.


“E posso dizer isso porque, nos meus devaneios, as mãos da garota paravam sempre no meu coração.Todas as vezes. Eu dizia a mim mesmo que era ali que queria que ela me tocasse.”

Particularmente gosto de Cameron, e a forma como ele nos guia pela história. Ele é tão tímido, introspectivo, apagado de certa forma, que tem atitudes totalmente incomuns. E nisso tudo ele se torna diferente, especial. Ou talvez eu esteja me apaixonando por protagonistas masculinos.

Os seus irmãos, Steve, Rube e Sarah são bem diferentes e interessantes. Como conhecemos todos aos olhos de Cameron é bem diferente e logo fiquei curiosa para ler os outros livros e conhecer mais sobre seus irmãos. Rube até que conhecemos bem, à medida que é o irmão mais próximo de Cameron, mas os outros te deixam curiosa.

Octavia também é uma garota bem diferente, repleta de traumas, timidez, e uma bipolaridade suave. Ela é diferente de muitas “mocinhas” que li, mas ainda assim adorável. É muito interessante ver a forma como ela se relaciona com Cameron, o que me fez admirá-la ainda mais, ela utiliza as diferenças dele para se tornar mais perto.

O romance aqui tem um tom de cumplicidade, de companheirismo, o que me fez pensar em A Culpa é das Estrelas. Talvez porque embora exista o contato físico, ele não é o foco, existe o diálogo, o carinho, o sentimento perpetuando.


“ Eu sempre gostei de Octavia.”

Outro ponto bacana do livro,é a família que aqui tem um grande destaque. Fazendo-me pensar que mais livros deveriam ter esse foco. O mais instigante é a diferença entre todos os personagens e semelhanças entre eles. Eles se reunindo e se socializando é muito divertido, e me fez rir.

O livro me conquistou, narrativa, personagens, cenário e uma outra coisa: Cameron escreve seus pensamentos. Sou apaixonada por livros onde o personagem escreve seus pensamentos, seja como for, poesia, diário, e aqui, Cameron faz isso o que me fez amar ainda mais a ele e a leitura.

A narrativa é repleta de metáforas, poesias e claro aquela mistura deliciosa. Às vezes a narrativa me lembrava John Green, em outras Regina O’ Melveny a autora de O livro da loucura e das curas, em outros momentos não me lembrava nada.E com isso, Markus Zusak entra na minha lista de narradores favoritos e escritores também, pela sua forma de escrever poética e reflexiva.


“Acho que, quando alguém lhe conta uma coisa que costuma guardar, você se sente privilegiado, não por saber algo que ninguém sabe, mas por se sentir escolhido.”

A Intrínseca, como sempre, foi incrível em sua capa e diagramação. A capa da um ar jovem que remete ao protagonista, e a forma em que a história e a escrita do personagem é demarcado é incrível. A fonte embora pequena, não cansa a vista o que me fez engolir o livro.

A garota que eu quero se mostrou um livro surpreendente, me fazendo pensar, engolir e desejar ler muitas outras obras do autor.

Recomendo a toda pessoa que gostarem de narrativas mais descritas e reflexivas, doces amores e surpresas...


“ Não adianta nada,depois que a pessoa morre.Isso é pra se fazer quando as pessoas estão juntas, ainda vivas.”



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós! Deixe seu comentário e se houver necessidade responderemos pelo seu e-mail ou aqui mesmo. Obrigada pela visita.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...